AddThis Social Bookmark Button
AddThis Social Bookmark Button

Matéria publicada opelo Diário Gaúcho, em 09/08/2014

texto de  Eduardo Torres

http://diariogaucho.clicrbs.com.br/rs/policia/noticia/2014/08/detetive-tentou-matar-pai-de-santo-porque-nao-gostou-do-trabalho-encomendado-4571222.html

 

Não gostou do trabalho, resolveu matá-lo. Essa foi a conclusão da polícia na investigação da tentativa de homicídio sofrida pelo pai de santo Luís Carlos Kalichinolli, 57 anos, no dia 30 de julho, na Rua Doutor Barcelos, Bairro Tristeza, Zona Sul da Capital. Na quarta passada, Mário Roberto Pinto Sokolowski, 56 anos, foi preso pela 4ª DHPP na sua casa, em Gravataí. No local, foi apreendida uma pistola .380.
Luís Carlos ainda corre risco de morte. Está em coma no HPS. Apontado como autor do crime, ele nem chegou a esquentar o lugar na cadeia. Autuado em flagrante por posse ilegal de arma, pagou fiança de R$ 5 mil e foi liberado, mas foi indiciado pela tentativa de homicídio.
– Temos provas robustas da autoria. Ele não fez nenhuma questão de esconder o crime – afirma o delegado Rodrigo Pohlmann.

Leia mais...

AddThis Social Bookmark Button
 
Exposição Ingênuo e Primitivo:
um Tributo a J. Altair
 
PORTO ALEGRE, Brasil – A Black Brazil Art apresenta no Centro Cultural CEEE Erico Verissimo (Rua dos Andradas, 1223), de 5 (terça-feira) a 30 de agosto, a exposição "Ingênuo e Primitivo: um Tributo a J. Altair"A exposição faz um apanhado de quatro décadas do trabalho de João Altair de Barros (1934-2013) em 25 telas inspiradas pelo universo da espiritualidade afro-brasileira, característica sempre presente na vida do pintor "naif" porto-alegrense.  O horário de visitação é de terça a sexta das 10h às 19h. Sábados, das 11h às 18h. A entrada é franca. A curadoria é dePatricia Brito"Ingênuo e Primitivo" é um projeto financiado peloFumproarte – Prefeitura Municipal de Porto Alegre.


A mostra também inclui a impressão do primeiro catálogo de obras do artista. As cores vivas são uma das características mais marcantes do trabalho de Altair, que escolheu o acrílico sobre tela como sua técnica mais recorrente. J. Altair – como assinava suas obras –  é considerado um mestre na arte "naif", caracterizada pela simplicidade e ausência de elementos formais da arte tradicional, que o autor preenche com fortes elementos da cultura afro-brasileira. Começou a pintar na década de 1950. Letrista por profissão, tinha facilidade na arte das colorações. Participou de diversas exposições dentro e fora do estado.Seu trabalho integra o acervo do Museu Internacional de Arte Naif(RJ), maior museu do gênero no país.

"Esta exposição proporciona uma reflexão quanto ao valor histórico-cultural de sua intensa produção artística. Considerado como o único artista babalorixá (sacerdote) do país, sua arte nos remete ao universo de símbolos e cores da mitologia da religião Iorubá", explicaPatricia. O artista buscou, ao longo de sua vida, referências na fé para desenvolver e aperfeiçoar as suas criações. Estão representados em suas telas os orixás, as práticas ritualísticas e as danças africanas incorporadas dentro da religiosidade brasileira ao longos dos séculos, desde a chegada do negro ao país.


O povo Iorubá é originário da África Ocidental, principalmente naNigéria. Compõe-se de vários grupos ligados pelo idioma, tradições, crenças e práticas religiosas, cujas divindades são os orixás. Esta contribuição africana para a cultura nacional é elemento essencial na obra do artista "naif", segundo a curadora da mostra. "Em sua obra,Altair deixou visível a diversidade de símbolos representativos do universo místico dos orixás da 'Mãe África' que se integraram à nossa cultura. Este código espiritual interpreta e traduz seu universo metafísico, ressignificando questionamentos, como ancestralidade, herança e patrimônio", avalia Patricia.
 

Crédito de fotografias: Isidoro B. Guggiana / Divulgação.

AddThis Social Bookmark Button
 Na noite de quinta-feira (24/07), na Sessão Ordinária da Câmara de Vereadores de Canoas, foi aprovado o Projeto de Lei protocolado pelo Vereador Paulinho de Odé, que cria o “Dia Municipal do Combate à Homofobia”, o primeiro projeto que contempla a comunidade LGBT de Canoas. Esta foi uma grande ação Legislativa protagonizada pelo parlamentar que articulou junto aos demais vereadores, com muito diálogo, o projeto que visa garantia de respeito a todas as diferenças.
Com uma presença massiva de representantes do segmento LGBT no Plenário da Câmara, Paulinho se emocionou ao defender a pauta: “Muito embora a criação de um Dia Municipal pareça um mero ato comemorativo, ele se justifica pelo fato de o Brasil ser o país com o maior número de assassinatos a gays, lésbicas, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros. É só dando visibilidade a estas pessoas que poderemos mudar este quadro.”.

Leia mais...

AddThis Social Bookmark Button

AddThis Social Bookmark Button
É com grande pesar que a Assessoria do Vereador Paulinho de Odé, em seu nome, comunica e lamenta pelo falecimento de uma das mais antigas Yalorixás de Canoas, Mãe Aida de Oxum. Sua passagem ocorreu nesta quarta-feira, dia 02/07/2014, aos 81 anos de idade. Neste momento, o Vereador e Babalorixá encontra-se em ritual religioso que exige seu afastamento, impossibilitando-o de manifestar-se ou de ter acesso a informações externas, e por esse motivo a nota aqui publicada é redigida por sua assessoria.
 
Mãe Aida de Oxum, nasceu no dia 08 de abril de 1933, na cidade do Rio de Janeiro, capital do estado homônimo. Aos 28 anos de idade, veio morar no Rio Grande do Sul com a família, de grande tradição dentro da religião.
 
Mãe Aida tem um histórico louvável dentro e fora da religião; tendo recebido os axés de maneira precoce aos 2 anos de idade, ela trilhou ao longo de toda sua vida um caminho em defesa da fé e da valorização da cultura Afro-brasileira. Seu esforço foi reconhecido diversas vezes pelas entidades que enxergam nela os valores que devem ser ressaltados em nossa comunidade. Entre as premiações, destacam-se a coroação como a Rainha Afroumbandista de Canoas, concedida pela Uniaxés, e a inserção no Livro Canoas, Mulheres que Fazem História, realizado pela Coordenadoria de Políticas para Mulheres, como uma das matriarcas de Canoas, sendo também agraciada com o título de Grande Mãe do CONESUL, concedido pelo AFROCONESUL, e finalmente recebendo o Prêmio Picucha Milanez das mãos do Vereador Paulinho de Odé, líder da bancada do PT, como uma das canoenses que mais se destacaram em sua área de atuação.
 
Muito desse reconhecimento é devido à sua destacada atuação religiosa. Nos últimos 42 anos, ela manteve e coordenou o Centro Africano Nossa Senhora da Conceição, no Bairro Mathias Velho, onde foram realizados os mais diversos rituais, atendimentos e encaminhamentos religiosos, sendo que pelo menos 10.000 pessoas participaram das atividades ao longo de sua existência. Atualmente, mais de 1.000 adeptos frequentam o local e são guiados pelo conhecimento e pela experiência de Mãe Aida. Um dos eventos que consagra a atuação ao longo do ano é a Procissão para Iemanjá, realizada há pelo menos 40 anos nas praias de Mariluz e Magistério.
 
Seu trabalho e conhecimento também são reconhecidos no âmbito acadêmico, através da atuação como palestrante em capacitação para educadores da Unisinos nos temas de Linguagem Yorubá e Cultura Africana. Fora isso, a presença do Centro Africano Nossa Senhora da Conceição tem marcado a vida da comunidade local com a realização de atividades sociais como a festa comunitária em homenagem a São Cosme e São Damião, com distribuição de doces para as crianças e também com a realização de oficinas de reforço escolar no turno inverso. Mãe Aida também era representante do Fórum Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional dos Povos Tradicionais de Matriz Africana (FONSANPOTMA), onde são encaminhados alimentos para os mais necessitados, mediante participação em cursos e atividades.
 
Mãe Aida de Oxum representa um importante segmento que merece ser sempre valorizado e serve de exemplo para que tenhamos cada vez mais este tipo de demonstração de cidadania. Em meio a saudade que fica, para sempre
 
celebraremos seu legado, que fica marcado na vida de cada um que a conheceu.
Jornal Grande Axé
Av. Vinte e Um de Abril, 127 sala 203
Bairro Sarandi - Porto Alegre - RS - 91.120-630
Fones: 51 3084.0386 | 51 3084.0387 | 51 91768183